11 de setembro de 2013

Menina empreendedora....

Sou de um tempo que as meninas eram educadas para serem delicadas, mães, professoras e donas de casa. Sou formada em Tradutora e Interprete e iniciei minha carreira como professora de inglês na escola Yazigi de Bento Gonçalves aos 18 anos. Minha carreira como empreendedora iniciou quando resolvi sair do Yazigi e abrir minha própria escola de inglês. Foi um passo importante pois em Bento Gonçalves naquela época só existia o Yazigi e eu fui a primeira corajosa a ser sua concorrente. Fui proprietária desta escola chamada Solution por 10 anos com mais duas sócias. Chegamos a ter 150 alunos e muitos eram meus alunos particulares. Eu trabalhava 3 turnos e não ganhava muito dinheiro pois a hora aula era muito barata e me obrigava a estar todo tempo em sala de aula. Nestes anos aconteceu que me divorciei e precisei ter outro emprego para complementar minha renda pois nunca recebi pensão alimentícia para o meu filho que na época tinha 6 aninhos.  Consegui  um emprego como tradutora em uma empresa chamada Scala Máquinas que importava máquinas americanas e necessitava de uma pessoa que intermediasse a comunicação entre os Estados Unidos e o Brasil. Cresci muito neste emprego, viajei muito e aprendi a circular no mundo masculino . Como me dedicava quase que exclusivamente a este novo emprego e estava ganhando bem, resolvi vender minha parte da escola para minhas sócias. Estive neste emprego por 7 anos, foi um tempo que costumo chamar de "tempo de guerra". Trabalhava longas horas, passava muito tempo viajando e fazendo feiras internacionais e me relacionando única e exclusivamente com colegas homens. Me transformei em uma businesswonan fria e com pensamento lógico. Infeliz ou felizmente ,  nesta época tivemos o plano Real para combater a inflação e em janeiro de 1999 ocorreu uma super desvalorização do real. Do dia para a noite as importações ficaram impossíveis e eu...do dia para a noite... perdi o emprego. Passei 3 meses desorientada e  depois resolvi  empreender novamente. iniciei o primeiro escritório de comercio exterior em Bento Gonçalves. A exportação não era muito conhecida no ramo moveleiro da serra gaucha e eu assessorava empresas desde o fechamento do negócio até o envio e pagamento da mercadoria. O foco do escritório era assessoria à exportação pois era o que o mercado demandava com uma taxa do dólar tão elevada. O negócio em comercio exterior é altamente estressante, competitivo e masculino. Mais uma vez estava rodeada de colegas, fornecedores e clientes homens. Foram anos de grandes altas e baixas..Em 2004 com o dólar a 3,5 trabalhávamos até as 22 horas, mas também tivemos momentos de dólar a 1,00 real e quase não tínhamos serviço.

 Ao longo destes anos os serviços foram ampliados para logística e serviços de trading além de assessoria.Chegamos a faturar US$ 4 milhões anuais. Me adaptei a este mundo bem diferente da minha educação para poder criar um filho sozinha e ser uma mulher independente financeiramente. Depois de 13 anos a frente deste negócio , meu filho assumiu o empreendimento de comercio exterior...  e eu ?? Vou empreender novamente ! Agora no ramo feminino e delicado da joalheria...afinal  quase chegando na minha aposentadoria vou voltar ao mundo que conheci na minha infância !

TEXTO ESCRITO POR SOLICITAÇÃO DO SEBRAE BG PARA PARTICIPAR DO PRÊMIO MULHER EMPREENDEDORA 2013.